quarta-feira, setembro 21, 2016

Não me deixe ir...

Não me deixe ir. Posso nunca mais voltar.

Clarice Lispector

Eu, ela e ele - Todo fim é um novo começo...

-Oi amiga, vim assim que você me ligou, tem alguma novidade do Edu, ele te ligou?
-Na verdade não, encontrei a irmã dele por acaso ontem no shopping, e descobri que ele está com ela assumidamente pra toda a família, e que ela acha que ele não gosta dela, mas ela vive lá na casa deles.
-Como assim, a irmã do Edu não sabia de vocês dois não?
-Ahh saber, saber não. Ela desconfia que a gente tem um trelele, até porque todos na casa dele sabe que ele namora com essa menina., e tem é muito tempo que eles estão juntos, mais de seis meses.
-Poxa, Dani. Como você nunca desconfiou de nada?
-Então, isso que eu me pergunto, o Edu sempre foi muito carinhoso comigo, desde os tempo do colégio, só que naquela época eu não queria nada com ele, achava ele mó chato, porem a gente sempre foi assim, muito próximos, até que um dia eu resolvi ceder e nos envolvemos, mas nunca imaginei que ele pudesse ter outra.
-E agora o que você vai fazer?
-Já fiz amiga, estava decidida, então combinei com ele da gente se encontrar naquela lanchonete lá no clube, aquela que abriu agora, que toca só samba rock. E conversei bem sério com ele.
-Nossa, pela sua carinha, parece que vocês se entenderam.
-Sim... Quer dizer, de uma certa forma sim. Conversamos durante muito tempo, ele falou que gosta muito de mim, desde a época do colégio, e que eu serei especial sempre na vida dele, mas...
-Ai, não vai dizer que...
-Então eu disse pra ele que ele também é muito especial pra mim.
Mas que agora só queria a amizade dele.
-Dani, jura que você fez isso? você é louca por ele, como assim, vai abrir mão mesmo?
-Ahh não é questão de abrir mão não... Eu pensei a respeito, e talvez seja melhor assim.
Ele gosta de mim, mas também gosta dela, tanto que eles vivem terminando e voltando, tanto que foi no meio desse vai e volta que a gente ficou junto... porem eu percebi o quanto ele gosta dela.
E não quero ele só pela metade, quero por completo.
-Tá mais que certa!  Se isso é o melhor pra ti, eu apoio, mas tem uma coisa que não tô conseguindo entender.
-O que?
-Você tá com um sorriso de esperança, com um olhar iluminado, o que é heim?
-Ai que vem a melhor parte...
Antes do Edu ir embora, a gente se beijou pela ultima vez.
E ele prometeu que nunca esqueceria de mim e nem se afastaria...
-Oi? e desde de quando isso vai ser bom pra você? você vai se machucar ainda mais, será que não percebe?
-Eita... você e sua mania de me interromper com milhões de frases, deixa eu terminar.
Então, quando ele foi embora, eu continuei sentada na mesa, e antes que percebesse, comecei a chorar, chorei muito amiga, não queria, não ali, mas chorei. E depois de uns cinco minutos chorando muito ,abri os olhos, sequei as lágrimas... e vi um par de olhos azuis me decorando, fiquei toda sem graça.
-Uiiii e quem era? conta, conta!!
-Ah, era o dono do clube, ele viu toda a cena do Edu,
e depois me viu chorando, e foi lá me dá um apoio.
Ain Dani, lindo demais, fofo, e foi o maior cavalheiro, nós dançamos, conversamos, rimos até tantas.
Mentira? Nooossa, por essa eu não esperava.
-E nem eu, e não dizem que todo fim é um novo começo!

Encontros e Desencontros


Percebo que, hoje em dia, as pessoas estão muito exigentes em relação ao amor.
Qualquer passo em falso: Adeus! Não aceitamos erros alheios. Não aceitamos qualidades no outro que, pra nós, sejam defeitos. Queremos que todos estejam conectados com nossas expectativas, que estão altissimas e não param de crescer.
O que nos é possivel, não nos interessa. Almejamos o perfeito. O irreal. O ilusório. Queremos sempre o melhor , mesmo que o "melhor" não se adéque á nossa vida.
Vimemos - na verdade - na era da Intolerância. Do imediatismo. Da falta de paciência. Seja com dowloads lentos, celulares fora de serviço. Ou pessoas que naõ seguem o nosso ritmo. No meio do caos, esquecemos o essencial: para se relacionar, é presciso tempo. Tolerância. E uma boa dose de bom senso. Não, pessoas não são descartaveis.
Nãi existe manual, nem informações no rótulo. Quer saber? Todo mundo tem lá seus "defeitos". Mas, nessas horas, não existe "loja autorizada" nem garantia. No máximo, uma terapia ou um bom ombro amigo para se reajustar.
Agora, minha pergunta: porque andamos, assim, tão exigentes? Será culpa da tecnologia e sua crescente evolução? Será falta de auto- conhecimento e amor proprio? Será que, no fundo, temos medo de amar e nos autoboicotamos com situações que nunca vão dar em nada?
Pode ser um pouco de cada coisa. Outro dia, ouvi uma frase interessante de uma amiga: o dilema da mulher moderna é saber, ao certo, o que ela procura. Porque se ela procurar, vai achar! Achei de uma sabedoria incrivel. E pensei: ao dizer isso, sei que muita gente vai me criticar. Mas pense comigo: será que estou, de fato, errada?
Não, não vamos colocar a culpa no outro. Se as coisas não estão dando certo, temos grande responsabilidade sobre elas. Não vamos começar nosso discurso manjado que queremos viver o amor, quando, na verdade atraimos pessoas problemáticas, instáveis e avessas a compromisso. Se isso acontece uma vez ou outra, tudo bem. Do azar no amor, ninguem foge.
Mas se o padrão prevalece, então , está na hora de revermos nossos conceitos. A gente acha o que - na verdade - procura. Se encontramos pessoas (e amores) que só nos trazem infelicidade, angustia e ansiedade, o melhor a fazer é nos voltarmos para dentro. E repensarmos quem somos. E o que realmente queremos.
Olha, eu não sou psicológa, nem donad e nenhuma verdade. Adoro lugar comum, gosto de escrever sobre o meu coração dita. Sei que ninguem gosta de aceitar suas culpas, muito menos admitir quando faz escolhas erradas. Mass se estou aqui hoje, dando a cara á tapa, é porque descobrir que me boicotei durante muitos anos. É, fugi do amor com medo de perder minha liberdade. Ou com medo de perceber que ter um relacionamento não traz garantia nenhuma de felicidade. (Adeus sonhos de adolescente!)
Agora , eu vejo que viver o amor nada mais é do que conhecer a si mesmo profundamente e entender quem a gente é. E o que nos faz bem.
Portanto, antes de colocar a culpa da sua vida amorosa no outro. No destino. Em algum karma. Ou em qualquer lugar fora de você, PENSE BEM.
Nós encontramos FORA o que - na verdade - MORA AQUI DENTRO.

via Fernanda Mello

O amor, bicho de sete cabeças.

O relacionamento é um bicho de sete cabeças. Cabe decepar cinco delas e deixar duas pensando. Não permitir que outras cabeças intrusas mandem mais do que a do casal, ainda que seja a mãe, a sogra, a melhor amiga ou amigo. Aprendi a amar jogando Forca na escola. Deduzir as letras que faltam para não deixar morrer a linguagem. É evidente que complicamos o amor. Pois o amor nos torna confusos, eufóricos, instáveis. Nada apaga a incerteza do começo. Quando se fica junto e ainda não se tem convicção do enlace.

Qualquer sinal pode aproximar ou sacrificar o início. Nenhum dos dois confessa o namoro. Ficam juntos, não conseguem voltar para casa, arrumam pretextos e não se fala o que se queria. Ambos rodeiam com palavras outras para se aproximar da palavra aquela. Já descobriram a intimidade, a empatia, as afinidades, mas há o medo de apressar. Mas há também o medo de demorar.

Como é difícil acertar o ritmo de fora com o ritmo de dentro. O abraço serve para apartar o excesso de palavras, assim como no boxe o abraço serve para conceder trégua aos socos.  Quanta violência na vagueza. É dormir de tarde e se acordar de noite. O amor rouba o fuso, o contexto, a simplicidade. É uma mudez carregada de fragilidade. Apaga-se a luz ou apaga-se o corpo para diminuir o receio de não ser aceito. O amor aperfeiçoa os defeitos. expansivos. Os defeitos ficam charmosos, simpáticos, . O amor devolve a transfiguração. A realidade não basta. Percebe-se no lampião sua touca de vidro. E se acha graça do fogo usando touca de banho, para não molhar os cabelos. De repente, se está rindo sozinho, do absurdo de ver mais do que se deveria, pelo excesso de contigente da imaginação. O que era impensável parece adequado.

Não se enxerga somente o passado de quem se ama, mas o que se oferece de futuro. Da mesma forma, nada apaga a incerteza do final. Volta-se ao mesmo 'não-sei-o-quê", o doloroso balbuciar destinado a encerrar uma história.
Nenhum dos dois pede a conta - o temor de que o estrago seja maior do que o fundo. Não se toma o partido, a iniciativa. Há o risco de errar feio e se enganar com a previsão. Calam-se e discutem por qualquer coisa porque não se tem a coragem de se discutir o que interessa. É um estado de nervosismo permanente, de ulnerabilidade extremada.

Vontade de terceirizar a vida e deixar que os outros administrem e tomem as decisões em nosso lugar. Vontade de largar a casa, os móveis, mudar de identidade e retornar assim que tudo estiver resolvido. A falência amorosa é como a falência de uma empresa. As centenas de funcionários demitidos são as lembranças. São postos na rua preceitos, frases e ideais antes caros à memória. A indefinição é que faz o amor permanecer ou ir embora. E não existe modo de diminuí-la. A vida se faz de expectativas. Talvez a vida seja curta para cumpri-las, talvez seja longa para entretê-las. Não se pode esquecer o que aconteceu atrás, antes do amor. Como disse Ana: "Fazíamos máscaras caseiras com pepino, passávamos ovo e outras podridões no cabelo, fazíamos touca e usávamos meia calça cortada embaixo dos vestidos (nas mangas) para não passar frio. O pior é quando se voltava da festa com outras amigas. Eram três horas de papo para entender o que aconteceu (na verdade, por que não aconteceu)". Que o amor seja indefinido para durar. Só se fala do que se tem a necessidade de compreender.

 por Carpinejar

O segredo...

Talvez Deus queira que nós conheçamos algumas pessoas erradas antes de encontrar a pessoa certa para que saibamos, ao encontrá-la, agradecer por esta bênção.
Quando a porta da felicidade se fecha, outra porta se abre.
Porém, estamos tão presos àquela porta fechada que não somos capazes de ver o novo caminho que se abriu.

O melhor amigo é aquele com quem nos sentamos por longas horas, sem dizer uma palavra, e ao deixá-lo, temos a impressão de que foi a melhor conversa que já tivemos.

Ao darmos a alguém todo o nosso amor nunca temos a certeza de que iremos receber este amor de volta. Não ame esperando algo em troca, espere para que este sentimento cresça no coração daquele que você ama.
E se isto não ocorrer, esteja feliz por este sentimento estar crescendo em seu coração. Em questão de segundos nos apaixonamos por alguém, mas levamos uma vida inteira para esquecer alguém especial.

Não busque boas aparências, elas podem mudar. Só precisamos de um sorriso para transformarmos um dia ruim. Encontre aquela pessoa que faça seu coração sorrir.
Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é tirar esta pessoa de nossos sonhos e abraçá-la.

Sonhe com aquilo que você quiser, vá para onde você queira ir, seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só temos uma chance de fazer aquilo que queremos. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce, dificuldades para fazê-la forte, tristeza para fazê-la humana e esperança suficiente para fazê-la feliz.

As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas. Elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos.

A felicidade aparece para aqueles que choram, para aqueles que se machucam, para aqueles que buscam e tentam sempre, e para aqueles que reconhecem a importância das pessoas que passam por suas vidas.

O futuro mais brilhante sempre estará baseado num passado; você só terá sucesso na vida quando aprender com os erros e as decepções do passado.

Quando você nasceu, você estava chorando e todas as pessoas ao seu redor estavam sorrindo. Viva de um modo que, ao morrer, você seja aquele que esteja sorrindo enquanto todos a sua volta estejam chorando.

E o mais importante, viva na presença de Deus todo seu tempo. Aproveite seu tempo agora para conhecê-lo e aprender quem Ele é, e quem ele espera que você seja enquanto você está aqui.

[Desconheço a autoria]



Descançar a alma dos sentimentos

Às vezes é preciso dormir, dormir muito. Não pra fugir, mas pra descansar a alma dos sentimentos. Quem nasceu com a sensibilidade exacerbada sabe quão difícil é engolir a vida. Porque tudo, absolutamente tudo devora a gente. Inteira."


Marla de Queiroz

Eu abro mão de você...

Será que você nunca compreendeu o quanto eu o amo?
Há tempos trago esse sentimento comigo, há tempos  procuro jeito pra que você o repare.  Nunca percebeu a maneira  como te olho, como digo frases soltas quando estou contigo, e as altas horas esperando a janelinha do messenger subir, pra vencer um pouco da minha saudade falando com você. Depois de quatro anos, esse sentimento continua aqui, intacto, somente ao vê-lo o meu coração dispara, parece ter vontades próprias, minhas pernas tremem, as mão suam frio.
Depois de tantas pessoas que já passou na minha vida, depois de tantas vezes que tristemente avistei  com você, ficando sempre na espera.
As vezes me questiono como fui tão boba, de acreditar em você, mas na verdade você nunca me dera motivos pra acreditar, eu que fui tola de pensar que um dia você iria mudar, ou que num passe de mágica iria notar que eu sou a mulher da sua vida, a pessoa que te ama e sempre te amo.
Mas nessa espera, eu só vi o tempo passar, vi as lágrimas rolar mesmo sem querer, percebi o quanto é dificil confiar em alguem a nossa própria felicidade.
Hoje luto com força e com fé pra cada vez mais esquecer você, não adianta esperar por algo que eu sei que nunca vai acontecer, hoje abro mão de você, com a conciência limpa, e agora mais do que nunca abro os caminho pra alguem muito especial trilhar e entrar no meu coração.
Estabeleço tempo de mudanças, tempo de crescimento, tempo de novo amor, novas esperanças, nova história, mas sinto dizer que nela, não tem espaço pra você.